ÀS VEZES O PASSADO VOLTA APENAS PARA NOS MOSTRAR O QUANTO JÁ CAMINHAMOS

Achei este post salvo como rascunho. É de 2012 quando eu tinha outro blog. Vou reproduzi-lo aqui e depois comentar abaixo.


O dia começou como mais um outro. Outro dos recentes. O desânimo às vezes é maior que a vontade de sair da cama. Apesar de todos os elogios dos mais próximos, e dos reconhecimentos dos mais longínquos, o fato é que a demora do resultado me  inquieta. E isto me fez perder o sono e acordar por volta das 04h50 da manhã. Depois de duas sessões de The Big Bang Theory e uma de Friends, o sono chegou. Mas, 5 minutos depois, o alarme toca e é hora de pular da cama. Fazer exames. Coletar sangue e urina. E decido que não vou perder a luta pelo sucesso. Vou correr atrás. Com todas as minhas forças.

O decorrer do dia foi consequência dos pensamentos. Parecia que renderia. E rendeu. Pela manhã, alguns contatos em busca do patrocínio para o programa que apresento. Alguns emails enviados, algumas recusas, e algumas indicações de pessoas que poderiam trabalhar no comercial para mim. Nada concreto. Mas começa a aparecer uma nova esperança.

Essa dedicação me fez postergar outros trabalhos. Serão reiniciados na terça-feira. Mas a espera por uma resposta me desanimou com estes afazeres. É como se eu ignorasse (in)conscientemente as tarefas pois desejo, já, estar em outro lugar. A verdade é que meu ciclo de três anos passou. E está atrasado. Preciso de novos desafios. E estou sem cabeça para criá-los. Então. apego-me àqueles que me ofereceram. Mas ainda não confirmaram.

Quando deu 18h, fiquei um pouco feliz. As aulas retornaram e, pelo menos por três horas, conseguiria desviar meus pensamentos. O sinal tocou. E eles voltaram.

Amanhã é um novo dia. Talvez em inglês, talvez em espanhol. Mas o objetivo é deixar o francês cada vez mais próximos. E ele só chegará com muita dedicação.

6 de Fevereiro de 2012


Este post é de 5 anos atrás. Talvez eu estivesse em um dos momentos mais difíceis de minha carreira. As duas sociedades que possuía não estavam bem. Eram como um barco a remo e cada pessoa remava em uma direção contrário. Então, fiz o que faço de melhor: agi.

Entrei em contato com um grande amigo, Diretor da maior gestora de recursos do Sul do Brasil e, na terça-feira de Carnaval, acertamos a absorção da minha empresa pela dele e, no dia 05 de Março de 2012, uma nova jornada começava a ser escrita.

Este post, encontrado acidentalmente, ajuda a registrar que meus princípios não mudaram. Relembrar da onde viemos, os perrengues que já passamos e como (sempre) através de muito trabalho conseguimos dar a volta por cima, nos motiva a repetir este padrão, não importa o quão motivado ou desmotivado estivermos.

A resposta sempre será o trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × cinco =