VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO?

Enquanto faço pesquisa, numa sexta-feira às 20h24m, para escrever mais um artigo para meu blog, me deparo com a notícia de que as adolescentes passam, em média, 9 horas por dia em redes sociais, das quais, 60% através de dispositivos móveis, como smartphones e tablets.

Ao extrapolar este dado para o tempo médio de vida de uma pessoa, é como se ela passasse cerca de 5 anos e 4 meses ligado às redes sociais. Ainda está atrás do tempo gasto em frente à televisão, que é de 7 anos e 8 meses.

Olhando este dado, é fácil entender por que as empresas gastam, anualmente, cerca de US$71 bilhões em propaganda na televisão e “apenas” US$36 bilhões em mídias sociais. Entretanto, ao analizar, e entender, o comportamento das pessoas, o dinheiro investido na televisão está sendo jogado fora.

Quando você, seus amigos e familiares estão assistindo TV, e entra um comercial, qual a primeira coisa que vocês fazem? Oito entre 10 respostas estará ligado ao uso de dispositivos móveis com acesso à internet, tais quais smartphones e tables. Ou seja, todo aquele dinheiro despejado pela indústria no horário nobre, a fim de pegar a sua atenção, foi jogado fora. Seus olhos estavam em outra direção.

Investir em propaganda na internet é muito mais eficiente: você consegue atingir o público que realmente busca. Na televisão, você anuncia o preço da carne para o vegano, comida de cachorro para os fãs de gato,  maquiagem feminina para homem, e propaganda de cerveja com mulher gostosa para mulheres.

O anúncio em plataformas sociais lhe permite fazer uma seleção do público alvo com muito mais precisão. Idade, sexo, renda, preferências de consumo. Tudo pode ser filtrado através das redes sociais. Porém, as empresas ainda não perceberam isso.

Gary Vaynerchuk, entusiasta do marketing digital, compara o momento em que vivemos ao da invenção da televisão. Enquanto muitos ainda apostavam no rádio, e não acreditavam que a TV tomaria seu lugar, aqueles que passaram a anunciar no novo veículo de comunicação tomaram a frente.

Hoje passamos pelo mesmo padrão. Apesar de haver uma mudança gradual, o dinheiro aplicado à TV ainda é o dobro das redes sociais. Algumas empresas já se deram conta, outras ainda estão relutando, ou simplesmente, fecharam os olhos para o futuro.

Da mesma forma, as pessoas físicas precisam entender que o currículo estará obsoleto em breve. Hoje, qualquer profissional da área de RH irá procurar seu nome nas redes sociais. Primeiro no Linkedin, depois nas demais. Por isso é tão importante utilizar esta vitrine como marketing pessoal.

Não, você não precisa fazer propaganda de forma agressiva e direta. Há uma linha tênue entre marketing pessoal e apenas se gabar. Porém, você pode, e precisa, utilizar as redes sociais para mostrar do que você é capaz, quem você é e aonde você quer chegar.

É claro que você pode mostrar que gosta de confraternizar com os amigos, mas não precisa botar foto bêbado todo final de semana. Mostre, além da vida pessoal, suas virtudes profissionais. Divulgue a planilha top que fez; a venda legal que concluiu; a sugestão que deu; ou, simplesmente, documente sua trajetória para chegar até seu objetivo.

Assim como as empresas não devem fazer propaganda enganosa, você deve mostrar quem você é. Fingir ser alguém completamente diferente é um truque muito manjado e fácil de ser detectado. Por isso, tome cuidado.

Empresas e pessoas precisam entender que consumidores e empregadores também utilizam as redes sociais por dois motivos: 1) se seu público alvo está lá, você precisa ser visível a ele; 2) já que vão ver você, pelo menos que vejam coisas positivas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + quatro =