TESOURO – A TETA SECOU… NOVAMENTE

Mais uma vez, o investidor brasileiro vê seus ganhos indo para o brejo. Em janeiro de 2016, títulos do Tesouro chegavam a pagar 16% ao ano, quando negociados no Tesouro Direto. Era um produto imbatível. Não havia risco que compensasse largar essa teta: retorno algo, garantia de pagamento, e liquidez diária. Mas a festa acabou.