PLANEJAMENTO PESSOAL PARTE 2 – CONSTRUA SEU MODELO DE NEGÓCIOS PESSOAL

Uma vez a reflexão interna concluída, e a missão e visão estabelecidas, agora é importante olhar para fora e construir um modelo de negócios pessoal que lhe guiará no alcance daqueles planos. É importante ter em mente que o sucesso é conquistado, ou seja, ele só existe se outras pessoas ou empresas comprarem aquilo que desejamos vender. Pode ser um produto ou um serviço. No caso do planejamento pessoal, essas pessoas são nossos amigos, famílias e mercado de trabalho. Se desejamos ser melhores com nossas famílias, eles devem perceber isso. Se quer melhorar ou aumentar seu ciclo de amizades, seus contatos precisam ver valor naquilo que você tem a oferecer a eles. E para ser contratado, seja como funcionário ou como prestador de serviços, o mercado precisa entender que você tem algo de espetacular para oferecer.

Quem você deseja impactar?

Você pode criar um “modelo de negócios”, ou modelo de relacionamentos, para qualquer aspecto da sua vida: pessoal, profissional, esportivo. O importante é que você saiba muito bem quem deseja impactar e como o fará.

“Consumidores”, do ponto de vista de Planejamento Pessoal, são as pessoas que desejam algo que você tem a oferecer. Sua opinião, atenção ou conhecimento são exemplos do seu “produto”.

A escolha do seu público alvo deve ser consistente com seus planos. Para determiná-lo, faça-se as seguintes perguntas:

  • Quem são seus consumidores mais importantes?

Para atingir seus objetivos, quais pessoas são imprescindíveis que você atinja? Elas já estão próximas de você ou ainda precisam ser alcançadas?

  • Quem influencia seus consumidores?

Atualmente, quem, ou qual tipo de empresa, serve de modelo para seu público alvo?

  • Quem mais poderia ajudar a desenvolver a sua marca pessoal?

Quem pode ajudá-lo a crescer é, também, um consumidor em potencial. Uma pessoa só vai lhe indicar para seus amigos e clientes se ela mesma acreditar no que você pode fazer.

  • Para quem você deseja fazer a sua mensagem chegar?

Qual o perfil, afinal, das pessoas que você deseja impactar?

Você deve criar diferentes categorias de impactados. Cada categoria tem uma necessidade diferente (seus filhos precisam de atenção e carinho, seus clientes de bons produtos). Então é segmentar para ser eficiente nas estratégias para atingi-los.

Qual a sua proposta de valor?

As pessoas com que você se relaciona, ou deseja se relacionar, inconscientemente vêem você como um produto. Eles lhe escolhem, do ponto de vista pessoal, afetivo ou profissional, por acreditarem que você pode oferecer algo a eles. Sua esposa lhe escolheu pois acredita que você pode ser capaz de criar uma família. Seus amigos o tem por perto por fazê-los rir. Seus clientes, ou chefe, lhe contrataram na expectativa de lhes entregar um produto/serviço de qualidade.

A proposta de valor, resumidamente, é aquilo que você pode, ou deseja, proporcionar às pessoas que estão à sua volta. Sua determinação é o passo mais importante do seu planejamento pessoal. Quanto mais distintivo você for dos seus pares, seja na concorrência pela sua namorada ou pelo seu emprego, maiores serão as chances de você ser escolhido. Você pode criar valor de diversas formas, como:

  • Inovação – criar produtos, serviços ou experiências novas;
  • Desempenho – ser mais eficiente em determinadas ações, tarefas ou atividades e ser reconhecido por isso;
  • Personalização – atender, de forma específica, às necessidades de pessoas e/ou organizações;

Independente do que seja, o importante é que sua proposta de valor seja verdadeira. Não há nada pior do que se sentir enganado por alguém ou alguma empresa. Se você se propor à algo, faça.

Como você fará sua mensagem chegar ao seu público alvo?

Os canais de distribuição são um dos fatores mais importantes das empresas. Não adianta ter o melhor produto se seu público não souber que ele existe ou não ter condições de acessá-lo.

O seu público é impactado por diversas formas. A experiência que ele possui com o seu produto ou serviço começa desde a forma como ele o conheceu, como ele recebeu o conteúdo e como ele o utilizou. A sua proposta de valor deve estar inserida em cada etapa do consumo pelo seu público. ele deve se sentir atraído a todo momento. Por isso a comunicação, distribuição e entrega do seu valor desempenham importante papel seu consumidor.

O termo Know Your Client, KYC, ou Conheça Seu Cliente, é um dos mais importantes na definição do canal de distribuição. A definição destas formas de como atingir seu público passam pelos seguintes pontos:

  • Aonde está seu público? Você precisa saber aonde seu público se encontrar para entender como atingi-lo. Não adianta contratar um avião para passar com uma bandeira na praia se ele está nas montanhas esquiando.
  • Como seu público alvo deseja ser atingido?. A que tipo de experiências seu público alvo está aberto? Gosta de contato pessoal ou prefere e-mails e mídias sociais? Assiste televisão ou lê jornal? Mora no seu prédio ou na cidade vizinha?
  • Como ele interage com o mundo? É preciso entender como esse público se relaciona com pessoas, notícias, e aquisição de conhecimento.
  • Como seu público alvo pode consumir sua proposta de valor? Ele terá acesso direto à você ou precisa de um parceiro/intermediário?

Como se relaciona com o seu público alvo?

Esse ponto é um dos mais cruciais para seu planejamento pessoal. É, praticamente, o primeiro contato direto que seu público alvo terá com a proposta de valor que deseja entregar. O relacionamento com ele tem com objetivos:

  • Conquista – Aumentar o número de consumidores daquilo que você deseja oferecer ;
  • Retenção – Fazer com que ele mantenha a relação com você;
  • Ampliação – retroalimentar a sua cadeia de atuação, fazendo que seus consumidores o passem a indicar para outras pessoas, exceto, logicamente, em relações monogâmicas.

Para essa definição, precisa ser entendido o que o consumidor espera da sua atuação.

Pessoal – se a entrega do seu valor depende da interação humana de qualquer forma, por telefone, e-mail ou direta.

Dedicação exclusiva – sem competir com a atenção dos demais consumidores, essa atuação garante a ele que todos os seus esforços serão empregados na resolução do seu problema.

Liberdade de escolha – você oferece todas as opções e ferramentas para seu consumidor e ele define quando, como e onde deseja fazer o uso das mesmas.

Comunidades – participar de, ou até mesmo criar, comunidades que possuam membros que, de alguma forma, procuram aquilo que você quer entregar. Incentivar o conhecimento e a troca de informações junto a esse grupo facilitará que conheçam sua proposta de valor.

Como se beneficiar disso tudo?

Você montou esse plano todo para receber algo em troca. Nem sempre será financeiro. Mas você precisa categorizar que tipo de retorno espera com todas as suas ações. Para ajudar, faça-se as seguintes perguntas:

  • Quais resultados ou benefícios que você deseja obter em seu plano pessoal? Qual o seu “por que”? O que lhe faz levantar da cama todos os dias? Por que você faz o que faz?
  • Como as pessoas lhe percebem hoje e como você deseja que elas lhe percebam? O que as pessoas pensam de você está de acordo com suas expectativas? As ações que você desempenham refletem aquilo que você deseja passar?
  • O que os outros dizem de você? O que você realmente quer que digam? Faça uma pesquisa entre seus contatos mais próximos e confiáveis. Quais os principais adjetivos que eles usam para lhe definir? Quais você gostaria que tivesse?
  • [No campo de vista profissional] Como você pode ser remunerado financeiramente pelo valor que deseja proporcionar aos outros? Seus possíveis consumidores lhe pagarão um salário? Você receberá por resultado? Terá apenas uma ou várias fontes de receita? É um serviço recorrente ou esporádico?

Quais são os principais recursos que você necessita para tornar-se crível?

Para entregar sua proposta de valor, o primeiro passo é seu público alvo acreditar que você pode fazê-lo. E para isso você precisa preparar-se para poder criar e entregar valor. Estes recursos podem ser físicos, humanos, intelectuais ou financeiros. O importante é saber aonde adquirí-los e como explorá-los.

  • Seu currículo reflete aquilo que deseja fazer?
  • Possui um portfólio de produtos/serviços?
  • Há um histórico de que aquilo a que se propõe é possível e válido?
  • Tem certificações, cursos ou experiência prática no que deseja fazer?
  • Existem pessoas influentes que podem atestar seu conhecimento e experiência?
  • Possui recursos financeiros, bens ou outros recursos físicos que lhe permitem fazer o que deseja?
  • É bem conectado, com parceiros que podem lhe ajudar?

Quais atividades-chave você precisa desempenhar?

Nada acontece de forma espontânea. Energia precisa ser despendida para o início de qualquer ação. Assim, você precisa ter em mente quais atividades você precisa desempenhar para que seu público alvo receba o valor que você deseja criar.

  • A quais cursos você deve ir?
  • Em que locais tem que frequentar?
  • Quais conhecimentos precisa adquirir?
  • Que tipo de conhecimento precisa gerar?
  • Em quais mídias sociais deve estar presente e de que forma atuar?

Quem são seus principais parceiros?

Para atingir seus principais objetivos, e fazer com que seu público alvo recebe a proposta de valor que deseja entregar, é necessário ter ajuda de outras pessoas. Além disso, a associação a pessoas mais influentes pode acelerar o seu processo de reconhecimento pelo seu publico alvo. Então, tenha em mente as seguintes pessoas:

  • Quem pode lhe ajudar a criar valor?
  • Quem pode lhe ajudar e entregar valor?
  • Quem pode lhe ajudar a atingir seu público alvo?
  • Quem pode lhe ajudar a reduzir custos?
  • Quem pode lhe ajudar a ter maiores benefícios/fontes de receita?
  • Que tipo de parceiro poderia ser estratégico?

Explore sua rede de contatos. Se não tem uma, coloque em suas atividades chave a criação de uma. Ninguém faz nada sozinho. Compartilhe e acelere se crescimento.

O que você precisa para fazer seus planos acontecerem? Quais seus investimentos?

Para que você entregue valor, você precisa fazer investimentos. “You gotta spend money to make money.” Nada vem de graça e você precisa investir tempo e dinheiro para fazer seus objetivos acontecerem. Sendo assim, saiba muito bem:

  • Qual sua estrutura de custo fixo? Quanto você precisa para se manter a cada ano, mês, semana e dia? Quais são os principais custos? É possível economizar?
  • Quais são seus custos variáveis? Para entregar uma unidade da sua proposta de valor, quanto você gasta de recursos financeiros e de tempo? Qual o custo para produzir seu produto/serviço?
  • É possível ter economia de escala? Se você fizer mais, é possível economizar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 3 =