NÃO ESQUEÇA DE COMBINAR COM OS RUSSOS

Há uma lenda de que, na Copa de 1958, o técnico da seleção brasileira, ao enfrentar o time da União Soviética, passou toda a estratégia de jogo ao plantel. Ao final de sua explicação, Garrincha teria dito: “e o senhor já combiniou tudo isso com os Russos”?

Tudo que acontece na sua vida é culpa sua. Você pode até querer culpar o governo, o patrão, o amigo, o concorrente. Mas no fundo, foram as suas ações, ou falta delas, que lhe colocaram na posição em que você se encontra. A boa notícia é que rever o quadro também está nas suas mãos.

Quando eu dava aulas para cursos de faculdade e pós gradução, era muito comum escutar os alunos reclamando que havia muita matéria para ser estudava para a prova da semana seguinte. Porém, não levavam em consideração que durante dois meses, muitos deles nem sequer abriram os livros para estudar.

Igualmente, quando contratei uma nutricionista e, meses depois, percebi que meu peso estava o mesmo, não tinha qualquer utilidade ou coerência reclamar que o resultado que eu buscava não tinha sido alcançado, pois eu tinha seguido as instruções que me eram convenientes. As mais difíceis, deixei passar.

Lembro, também, que no meu primeiro emprego, quando minha Coordenadora saiu de licença maternidade e assumi o Departamento Financeiro, precisei aconselhar uma colega de trabalho que deseja mudar sua posição dentro da empresa. Na ocasião, eu disse a ela que, para assumir o cargo que ela desejava, seria necessário ela cumprir suas atuais tarefas ao mesmo tempo em que demonstraria suas aptidões para a nova posição desejada.

Todos estes são exemplos de que as consequências, bem como as mudanças, são todas nossa culpa. Se tiramos nota baixa na prova, é por que não estudamos o suficiente. Se não temos o corpo desejado (seja lá ele qual for) é por que não nos alimentamos e nos exercitamos para atingir este fim. Se não temos o cargo, o salário, ou trabalhamos na empresa que sonhamos, é por que não mostramos o nosso valor da forma certa.

Por isso, na próxima vez que você colocar a culpa em alguém por algo que possa ter acontecido à você, se pergunte: qual foi a MINHA parcela de culpa? O que eu deveria ter feito e não fiz? Ou ainda, o que eu NÃO deveria ter feito, porém fiz?

Jogar a culpa nos outros, ou no universo, é sempre mais fácil. Apontar o dedo para si, às vezes, parece uma tarefa impossível. Ainda mais quando nossa mãe nos disse que somos perfeitos e que podemos ser o que quiséssemos. Porém, se esqueceu de combinar com os Russos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + 9 =