COMO ADMINISTRAR O TEMPO

No final da década de 1850, ainda se gastava mais de três semanas, por uma combinação de telégrafo e carruagem, para levar uma mensagem de uma costa a outra nos Estados Unidos.¹

Mais de um século e meio depois, quando informações são trocadas em um período de tempo em que, praticamente, não é possível medir (o que chamamos de “Tempo Real”), ainda nos encontramos “sem tempo” para fazer as coisas. Como, então, praticar três esportes, trabalhar, cuidar da família e descansar?

Parece uma tarefa impossível, mas somos seres altamente adaptáveis a meios inóspitos. Basta existir uma dificuldade que algum cientista maluco descobre a saída. Depois, muitas pessoas copiam, se acostumam e vira rotina. Para uma meta ser alcançada, antes de qualquer outra coisa, precisamos saber administrar o tempo. É um recurso finito, aonde não existe nada que possamos fazer para aumentá-lo. O dia tem 24 horas. Impossível ter mais. Impossível ter menos. Recursos financeiros podem ser expandidos; conhecimento, da mesma forma; relacionamento pode ser criado, emprestado ou comprado; e por ai vai. Entretanto, o tempo, apesar de ser relativo, sempre vai jogar contra nós. Saber dominá-lo é essencial para concluir objetivos, quaisquer que eles sejam.

Quando comecei a praticar triathlon, muita gente me perguntava aonde eu arrumava tempo, afinal, além de trabalhar como Analista de Investimento em uma Gestora de Recursos, lecionava em faculdades a cursos de pós graduação pelo menos 3 noites por semana, além de fazer palestras e cursos para empresas. Em um esporte que possui três modalidades, e ainda com atividade de musculação para reforçar o corpo, o problema estava lançado. Faltava, agora, o cientista maluco achar uma solução.

Minha mãe sempre me dizia que eu era meio doido, pois não tinha medo de nada e sempre colocava a cara para bater. Na faculdade, me formei em Ciências Econômicas. Acredito que, desta forma, me enquadro no rótulo de “cientista maluco” para achar a solução do meu problema. A resposta foi mais simples do que eu imaginava: administrar meu tempo e minha agenda para fazer tudo caber dentro das 24 horas de um dia. A maior dificuldade foi a disciplina para cumprir o plano traçado.

Todo domingo, quando meu treinador mandava a planilha, eu abria minha agenda e estabelecia os horários dos treinos a fim de não comprometer minhas atividades profissionais, afinal de contas, o triathlon não é um esporte barato e eu não podia perder empregos ou clientes por causa disso. Muitas vezes, para poder encaixar os treinos, eu precisava dormir às 23h, quando chegava em casa após as aulas, e acordar às 05h. Não era raro a situação ser pior, tendo que encontrar forças para acordar às 04h30 para treinos longos de corrida, seguido de reuniões importantes às nove da manhã. Era um sacrifício gigantesco; por diversas vezes foi obrigado a não estar com meus amigos, voltar cedo de casamentos e aniversários, não comer aquele churrasco com cerveja na casa dos pais para que eu pudesse atingir a minha meta.

O uso da tecnologia foi importante nesse momento. Agenda sincronizada entre celular, computador e tablet foi condição sine qua non para essa estratégia funcionar. Outro ponto fundamental foi permanecer flexível para adversidades do dia e dos compromissos. Carregava sempre roupas de treinos no carro pois, em ocasião de não conseguir me deslocar até o bairro aonde eu costumava treinar, dava um jeito de realizar a sessão de corrida, natação ou ciclismo aonde fosse possível. Diversas vezes fui obrigado a correr na esteira da academia (coisa que detesto), pois estava frio ou chuvoso demais para ir para rua. Da mesma forma, não era raro ser impossível fazer um treino de bike na rua, pois ia sair de casa muito cedo ou chegar muito tarde, de forma que a luminosidade natural não permitia pedalar com segurança. Saída: aula de spinning ou bike no rolo.

Por fim, ter a cabeça no lugar para aceitar que em alguns dias simplesmente eu teria que abortar o treino foi tão importante quanto o resto. Isaac Newton, relacionou nas Leis da Física que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo. Da mesma forma, muitas vezes não é possível forçar o treino em um dia ou semana extremamente ocupada. O resultado pode ser de lesões ou demissões.

Olhando para trás, não me arrependo de nada, o triathlon me ensinou muitas coisas que levo pra vida particular e profissional. “Não existe lanche grátis”, e aprender administrar o tempo é, também, forçar-nos a decidir o que é mais importante e dizer “não” para tudo aquilo que pode prejudicar o seu caminho para a conquista do objetivo.


Para saber mais sobre administração do tempo, abaixo estão alguns livros que podem ajudar no assunto.

 


 

Referências

1 – O Mapa e o Território – Alan Greenspan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − seis =